Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

As mãos juntas do “diamante”

O gassho é muito utilizado por Budistas e simpatizantes. Você sabe o que este gesto simboliza?

Japonês: Kongo gassho
Chinês: Ching-kang ho-chang
Sânscrito: Vajra-anjalikarmamudra, Anjalimudra

Gesto: as duas mãos juntas no nível do peito, os dedos podem ou não se cruzar.

O conhecido Gassho
O conhecido Gassho

Simbolismo: Mudra* utilizado para se reverenciar as deidades Budistas, para se realizar/oferecer as recitações e como forma de cumprimento entre os fieis. Os 10 dedos, quando cruzados, representam as 10 Perfeições e os 10 Mundos da Essência (Dharmadhatu). Como gesto de reverência, o gassho serve para que se honre o Buda, o Dharma e a Sangha. Este mudra descende dos Hindus que o utilizavam como sinal de oferecimento e veneração às suas divindades ou apenas para saudação entre as pessoas. Nas danças hindus, o mudra é feito ao final, em sinal de que aquela apresentação foi realizada em oferecimento à plateia.

As duas mãos unidas referem-se à coexistência dos dois mundos inseparáveis: o kongokai (Mundo do Diamante) e o taizokai. Estes dois mundos representam a ação recíproca entre as esferas material e espiritual, entre o estático e o dinâmico. Pode-se dizer ainda que o kongokai é o “mundo das ideias” que, como o diamante, é indestrutível, eterno e estático. O “desenho” do diamante formado pelas mãos exprime dureza e utilidade, verdade indestrutível e a ação baseada no conhecimento e no sentimento sincero e honesto. Já o mundo taizokai é o lado perecível, fenomênico e material.

gassho4

O espaço vazio entre as mãos é uma alusão ao coração isento de paixões egoístas; o receptáculo da natureza de Buda que todos os seres possuem. Um coração inflexível é fechado, sem espaço para a “ação de Buda”, por essa razão o mudra não une completamente as palmas (exceto em alguns tipos de cerimônias).

Esta manifestação de adoração, com a junção das mãos, compreende a união entre o mundo de Buda e o mundo dos Seres. Esta unidade está de acordo com o princípio Esotérico de dualidade e não dualidade. As mãos são de fato duas, mas quando juntas transformam-se em uma unidade, indicando que tanto o kongokai quanto o taizokai existem paralelamente.

Quando o gesto é feito diante do altar, costuma-se inclinar o corpo e fazer as seguintes declarações:

“Tomo refúgio no Buda, no Dharma e na Sangha”

O gassho quase nunca aparece em esculturas de Buda, pois é um gesto oferecido a entidades superiores. Algumas vezes é visto em alguns Bodhisattvas, como em Kannon (na forma de múltiplos braços) quando esta oferece sua compaixão aos seres sencientes; ou ainda em personagens menos importantes, como guardiões, reis e homens virtuosos quando estes reverenciam o Buda ou a Doutrina.

* Mudra é um termo sânscrito para gestos ou posturas das mãos que servem para transmitir profundos significados metafísicos durante as cerimônias religiosas. Os Mudras não são exclusividade do Budismo, são utilizados também em outras religiões, a exemplo do hinduísmo e do cristianismo.

Fonte: E. Dale Saunders. Mudra – A Study of Symbolic Gestures in Japanese Buddhist Sculpture. Bollingen Foundation. New York. 1960. Traduzido por Rev. Sandro Vasconcelos.

Para ser notificado a cada novidade!!


Um e-mail foi enviado para confirmar sua assinatura. Verifique seu e-mail e clique em confirmar para ativar sua assinatura.

Veja Também

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn
Kongo gassho: mãos juntas do “diamante” _/\_ (Anjali)
Classificado como:        

Mostrar
Compartilhe
Compartilhe
Compartilhe
Canal no Youtube
Esconder
error: Este conteúdo pode ser divulgado sob permissão do autor - contato@rodadalei.com.br