Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn

Retirado do blog “http://chakubuku-aryasattva.blogspot.com“; muito esclarecedor, desmistificando o uso do incenso e trazendo-nos uma explicação convincente do seu simbolismo.

 
 
 
Muita gente gosta de incenso e o queima em seus lares e locais de trabalho. O incenso está à venda em muitos pontos comerciais da cidade. No entanto, pouca gente sabe seu real significado.
 
As pessoas têm variadas explicações para utilizarem o incenso. Umas gostam do aroma, outras acham que o mesmo serve para “tirar a energia negativa”, outras que é uma defumação com o objetivo de trazer “boas energias” etc. Vamos tentar compreender melhor isso.
 
O incenso é utilizado pela humanidade há muito, muito tempo. Foi trazido ao mundo ocidental do Oriente e da África. No Oriente Médio, por exemplo, utilizavam (e ainda utilizam) várias madeiras resinosas aromáticas (como o Olibanum e a Mirra) para fabricar o incenso.
 
Nas igrejas cristãs, como a Igreja Católica e a Igreja Ortodoxa, o incenso é símbolo das orações dos fiéis, que sobem aos céus como a fumaça do incenso.
 
No Budismo o incenso (dhupah em sânscrito, xianghuo em chinês e senkô em japonês) sempre foi utilizado, desde a Índia, sua terra natal. Na Índia pré-budista já se utilizava o incenso nos rituais prescritos nos Vedas (principais livros sagrados da Índia Antiga). Ainda hoje a Índia é a maior fabricante de incenso no mundo.
 
Muitos budistas acham que o Buda “gosta” do cheiro do incenso, ou que os espíritos dos mortos são de alguma forma beneficiados com o incenso ou, ainda, que é para “tirar energias negativas”, como já citamos no início.  Isso não é verdade. Na verdade, o incenso é um símbolo muito mais bonito que essas lendas.
 
Quando é aceso se consome lentamente, espalhando seu aroma agradável em todas as direções que o circundam. Assim, para o Budismo, ele simboliza a prática da moralidade e das boas ações. O ser humano, ao praticar boas ações, espalha o suave aroma da bondade em torno de si e dos outros, consumindo seu tempo em ajudar ao próximo de várias formas. Da mesma maneira, conforme o tempo passa, a vida do incenso vai se tornando mais curta, aproximando-o de seu fim. Assim também é a vida de todos os seres. Lentamente vai se escoando, apesar de muitas vezes nos esquecermos disso.
 
O incenso, então, simboliza que devemos perfumar nossa vida e a vida das outras pessoas com o doce aroma das boas ações. Também simboliza que o tempo não pára. Assim como o incenso aceso se consome por inteiro, nossa vida também está passando, sem cessar.
 
Quando acendemos um incenso, devemos nos lembrar que o “aroma” de nossas ações deve ser doce, agradável e que devemos aproveitar bem o tempo, pois ele não pára para nos aguardar.
 
Acender incenso em memória dos ancestrais é como se, simbolicamente, estivéssemos nos comprometendo a fazer o bem que nossos ancestrais nos ensinaram a fazer e, ao mesmo tempo, nos lembrando que, assim como nossos entes queridos se foram, nós também iremos um dia.
 
Queimar incenso na frente do Buda é um ato simbólico de comprometimento com a ética budista e com o ensinamento sobre a impermanência de todas as coisas.
 
Por isso, é importante aproveitar bem o tempo.
Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn
(Visited 102 times, 1 visits today)
Por que os budistas usam incenso?
Classificado como:

Mostrar
Compartilhe
Compartilhe
Compartilhe
Canal no Youtube
Esconder
error: Este conteúdo pode ser divulgado sob permissão do autor - contato@rodadalei.com.br