Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn
 
RESUMO DO SUTRA DO LÓTUS
 
Este trabalho consiste em resumir e interpretar o Sutra do Lótus capítulo por capítulo de maneira objetiva, porém, buscando um satisfatório aprofundamento nos conceitos por ele apresentados. O post de hoje é sobre o primeiro capítulo.
 
Capítulo 1 – Introdução
 
Parte 1 – Reunião da Assembleia
 
O Buda Shakyamuni se reúne com discípulos, Bodhisattvas, deuses e outros seres para a pregação do Sutra do Lótus. Essa reunião mítica e grandiosa revela a importância da pregação do Dharma, a ponto de reunir vários personagens importantes e ícones religiosos, demonstrando a superioridade do Dharma em relação às demais filosofias e religiões.
Buda, diante dessa Assembleia, entra em profunda concentração (Samādhi), flores caem sobre todos, e todos contemplaram o Bhagavant. Em seguida, o Perfeitamente Iluminado emite um raio de luz, tornando tudo claro; ato que simboliza o discernimento capaz de desvelar os frutos kármicos daqueles que estão presos no inferno Avichi (estado mental de apego e sofrimento) e auxiliar os seres a ver e aceitar a realidade com clareza.
Neste contexto, Maitreya pergunta a Manjushri a razão daquele sinal; Manjushri responde que a intenção é expor o Dharma; ensinando a extinção do sofrimento aos que se iludem e que estão presos ao ciclo do samsara. A Luz emitida por Buda também demonstra a latente Iluminação dos seres e a necessidade em comprometer-se com o Voto de Bodhisattva: desfazendo-se de riquezas, livrando-se da escravidão dos desejos, em prol dos demais, com uma mente alegre, autoconsciente e soberana diante de Mara. O Voto ainda sugere a companhia dos nobres e a continuidade da Tradição Budista.
 
Parte 2 – Tathagata Chandrasuryapradipa
 
Neste segundo momento o Tathagata Chandrasuryapradipa é apresentado aos expectadores, seu nome, “Resplendor do Sol e da Luz” em português, exalta a beleza do Mahayana. Este Buda proclamava a vida religiosa pura, ensinava as 4 Nobres Verdades, as 6 Paramitas, o Surgimento Condicionado, a superação do nascimento, da velhice, da doença, da morte, da dor, do lamento, do sofrimento, do desalento, do desespero; a fim de se alcançar o Nirvana.
Os Antecessores de Chandrasuryapradipa agiam desta mesma forma virtuosa, assim como seus sucessores (filhos), o que demonstra a continuidade da tradição Budista desde sempre.
Chandrasuryapradipa também entra em Samādhi (mente imóvel) e realiza o mesmo milagre de Shakyamuni. Acontecimento que, por sua semelhança, aponta para uma Verdade imutável, atemporal, não dependente de homens, nem deuses, nem de ninguém e que permeia a vida ad infinitum (Eterno Retorno ou constante devir).
Chandrasuryapradipa, então sai do Samādhi e prega o Sutra do Lótus (O Lótus da Verdadeira Doutrina) ao Bodhisattva Varaprabha (Luz Maravilhosa). Os longos períodos cósmicos que se passam enquanto estes fatos ocorrem parecem remeter mais uma vez à ideia de constância daquelas Verdades expostas, uma espécie de retirada histórica ou atemporalidade.
Finalmente, Chandrasuryapradipa anuncia sua extinção (parinirvana) ao Bodhisattva Shrigarbha (Tesouro de Excelência) e também o anuncia ao “posto” de Tathagata, nomeando-lhe como Vimalanetra (Olhar Puro). Nomes que simbolizam crescimento, evolução, ascensão espiritual e continuidade da Sangha. Chandrasuryapradipa então se Nirvaniza e Varaprabha continua a pregar o Sutra do Lótus, levando novas pessoas à atingir a Iluminação.
 
Parte 3 – Bodhisattva Yashaskama
 
Nessa parte é apresentado um dos discípulos de Varaprabha, o Bodhisattva Yashaskama (desejoso de glória), que também propagou a doutrina e levou muitos à Iluminação. Manjushri revela, no final dessa seção, que Varaprabha é ele mesmo e que o Bodhisattva Yashaskama é, nada mais, nada menos do que Maitreya. Assim, toda a narrativa de Yashaskama, que parecia ser uma história distante, estava, na verdade, intrinsecamente relacionada com o ouvinte, o Bodhisattva Maitreya. Sabe-se que Maitreya é conhecido como o “Buda do futuro”, representando todos os Budas que viriam a existir em períodos subsequentes até o nosso tempo. Desta forma, a história de Yashaskama também não nos é estranha, pois nos inclui como participantes do Dharma e discípulos diretos dessa linhagem espiritual.
 
Parte 4 – Conclusão do Primeiro Capítulo

 

Manjushri conclui que o premonitório, pela similitude do milagre desenvolvido por Chandrasuryapradipa, significa a vontade de Buda em expor o Sutra do Lótus. Exposição que contém a Essência do Dharma e que deve ser executada com “Habilidade nos Métodos” (capítulo 2). Os Bodhisattvas, que se encaminham para a Iluminação, são sábios que se afastam de qualquer dúvida, qualquer incerteza e qualquer vacilação.

Leia mais:
Próximo capítulo

Para ser notificado a cada novidade!!


Um e-mail foi enviado para confirmar sua assinatura. Verifique seu e-mail e clique em confirmar para ativar sua assinatura.

Veja Também

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn
Sutra do Lótus – Resumo capítulo por capítulo – Cap 01
Classificado como:        

Mostrar
Compartilhe
Compartilhe
Compartilhe
Canal no Youtube
Esconder
error: Este conteúdo pode ser divulgado sob permissão do autor - contato@rodadalei.com.br